“Rir, Rezar, Apreciar”: a Higiene da Mente

A higiene é algo essencial para o ser humano e a higiene mental não é exceção. O riso, a oração e a contemplação estética são formas de limpeza da mente e deveriam ser cultivados como hábito diário, assim como escovar os dentes.

Os benefícios dos hábitos saudáveis de higiene para a sociedade humana são inequívocos e inquestionáveis. No entanto, da forma com que se faz hoje, a higiene limita-se ao ambiente e ao corpo e acaba por negligenciar a higiene mental. Com isso apenas 2/3 são contemplados.

Assim como o corpo se suja ao ficar exposto ao ambiente, o mesmo ocorre com a mente. Ao ser exposta à atos abomináveis, à discursos de ódio, à situações de medo ou insegurança, gradualmente os pensamentos são afetados de maneira negativa e acabam por “normalizar” diversos disparates.

Por isso, assim como a mente se suja diariamente é preciso cultivar o hábito de limpá-la também diariamente. Em sentido inverso, a limpeza da mente ocorre ao ter contato diário com atos meritórios, discursos de amor e situações de segurança ou alegria. Como isso é atualmente difícil é requer esforço.

Talvez a forma mais refinada de higiene mental é a contemplação estética. Mas a verdade é que dependendo da quantidade e do grau dos problemas, não é possível apreciar nada. Existem ocasiões em que até mesmo orar se torna impossível. Em circunstâncias como esta, rir é o melhor.

Rir não é rir dos outros mas de si próprio, da sua própria situação. É achar algum ângulo engraçado ou irônico na situação sua situação. Apenas não confunda riso com deboche, não é bom debochar, nem mesmo de você. Mas o riso, o riso é como uma flor que abre a mente para novas perspectivas.

“Dia do pagamento! Durmo uma noite e… carteira vazia…”

A oração trás conforto e esperança. Por meio da oração é que “entregamos” aquilo que está além do nosso alcance e que nos permite centrar em resolver aquilo que está. Em um dia mais escuro, a oração permite ver um amanhã com esperança e as vezes isso muda tudo; pode até quebrar um círculo vicioso.

Desnecessário dizer que orar não se trata de repetir mecanicamente um conjunto de palavras mas de ser inspirado por elas. Ao orar a pessoa deve saborear cada palavra e meditar sobre seu conteúdo deixando-se mover por ele. Ao fazer isso, uma boa oração é aquela que desperta reflexão e sentimentos bons.

“Perdoai-nos as nossas ofensas,

assim como nós perdoamos a quem nos tem ofendido.”

O contato com elementos estéticos desenvolve a sensibilidade. Em uma sociedade cada vez mais corrida e mecânica, mesmo havendo possibilidade não se dá tempo para apreciar as singelezas da vida. Coisas como sentir o vento, contemplar uma flor ou ler poemas é algo que define o ser humano.

O importante é ter contato com elementos estéticos que despertem sentimentos bons, mesmo que inicialmente com forte apelo ao sentidos. A apreciação estética é também uma educação, é preciso se educar gradativamente e buscar apreciar elementos estéticos cada vez mais sutis e refinados.

“O lago em breu —

à silhueta de luz da Lua nova, reflete a sombra escura do pinheiro ao vento.”

E claro, assim como um banho não resolve doenças, caso esteja mentalmente doente, consulte um psicólogo.

Uma perspectiva de Mokiti Okada

Logo no início de seu trabalho, quando as dificuldades eram inúmeras, o mestre Okada realizou uma série de saraus de poemas humorísticos onde junto com seus amigos choravam e riam juntos as mazelas da vida. Mas o principal é, mesmo que por um breve momento, todos se divertiam juntos enquanto esqueciam dos sofrimentos de uma época. O riso sempre foi cultivado pelo mestre Okada.

O mestre Okada era teísta e também compôs orações que podem ser entoadas por qualquer pessoa que quiser e atualmente são entoadas por muitas pessoas no mundo todo. Essas orações tem versos muito inspirados que ajudam a despertar aquilo que há de melhor em cada um de nós. São orações que trazem calma e esperança, isto é, que trazem luz à nossa mente.

Ainda, o mestre Okada era amante das belas artes, em especial das japonesas. Ele sempre se dedicou à pintura japonesa, caligrafia e à composição de poemas, além disso colecionou um acervo que suscitou dois museus. O objetivo era popularizar as artes japonesas para o público em geral. Apreciava também a cultura ocidental como o cinema e até a cultura pop como os ukiō-e.

A Purificação Estética

Ao ter contato com qualquer ideia, texto ou situação a primeira coisa a considerar é o sentimento. Caso o sentimento que foi despertado é virtuoso, ela contribui a para limpeza da mente; caso contrário para sua corrupção. O mesmo vale para o riso, orações e obras de arte. As artes mais elevadas despertam sentimentos sublimes e as menos induzem ao ódio ou ao conflito.

Quando a mente está sendo purificada manifestam-se alguns sinais. Os músculos relaxam, ocorre o bocejo (ou arroto), surge uma sensação de calor e muitas vezes o sorriso de alívio é inevitável. Para que esses sinais se manifestem leva algum tempo de contemplação. Enquanto a maioria das pessoas não está habituada a parar e desfrutar de momentos estéticos, o hábito de contemplar coisas ruins já está estabelecido. A higiene, ou falta dela, é um hábito.

A contemplação do belo é um hábito a ser cultivado diariamente.

Francisco Marcondes Supino – de Braga, Portugal

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Inscreva-se para Receber Novidades